Mr Ben

From: Senhor Ben Gala
To: The friends and family of Pastora Voni Pottle.

First, let me get the less important things out of the way,
My name is Senhor Ben Gala..  a name I am proud of that has been in the Portuguese dictionary for years.  The translation into the American language dictionary is “cane,” but I much prefer my Brazilian name!  I believe it carries much more dignity with it than that tiny word “cane” which is inconsistent with my position of responsibility of helping Pra. Voni  (for those of you who don’t speak Portuguese, this means Pastora Voni – which is the feminine word for Pastor.) 

Forgive me, I got side-tracked!

What do I do that is so important?  I assist an 87 year old woman to walk without falling.  I DO NOT        not consider her a normal 87-year-old. She speaks fluently in English and Portuguese, and also writes in both languages. (Portuguese is considered as one of the more difficult languages: it makes Spanish look like child’s play grammatically.) 
At times, she complains about her accent.
 But, as a language teacher told her many years ago, “An accent proves that you speak more than one language!”  I totally agree with him!

She has some difficulty walking (which is why I AM SO IMPORTANT IN HER LIFE!)

She also has a dual citizenship, American and Brazilian.  She and I will ALWAYS remember the days she received her citizenship card and then her Brazilian passport.   They are both well-guarded, along with her American documents.
 

I was there … and proud to be at her side!  She used me a lot that day, as we walked through the Federal Justice building (that is an impressive edifice!)   From there, we received the info of what we had to do, took the car to an older section of the city, then we walked over broken sidewalks (THAT was a challenge for me) to enter an ancient building (ITEP – don’t ask me what those initials mean.)

When we entered that building, a long old stairway faced us.
The clerks offered to bring the fingerprint equipment and the seals for the documents downstairs to where we were. BUT (did I already tell you that this lady can be very determined (I call it stubborn), she refused to have everything brought downstairs.  She insisted that she could get up those stairs and then back down again.  (I, along with some friends and one of her daughters who was also with us,  ALL tried to convince her to not use those stairs, even though they had a hand rail (which she uses quite well). 
She would NOT listen!

We went up those stairs slowly, one at a time, and were ALL relieved when we got to the top.

We went into the office and were seated. The ladies in the office brought us coffee and cold water and congratulated us on getting up those stairs!  Everyone (except me) enjoyed the water and coffee.  I had to just look on as I was propped up against a wall ☹

I had to chuckle (although they couldn’t hear me) when they took her fingerprints.  What a mess!
When she was done, her friends took a picture of her hands as she held them up for the camera: each finger BLACK.  I would have been embarrassed, but not her!  She was so thrilled to be getting her documents that she just laughed. (She smiles and laughs a lot. and is always talking about how good God is to her!))

We finished all the documents, thanked the ladies in that department, then headed towards those stairs again!  (Did you know it is more difficult to go down the stairs than up them?)

We worked down those stairs, one at a time. When we got to the bottom, we turned and thanked the clerks again. We headed out to the car (walking over more broken sidewalk, ) drove back to the Federal Justice Building, carried in the file of paperwork, the clerk took it and went through everything. She then printed out the Brazilian citizenship ID card and handed it to Pra. Voni.
 
You cannot imagine the smiles and hugs.  I think everyone was just as happy and thrilled as Pra. Voni.

I know I was!

We finished the afternoon by going to a great restaurant overlooking the ocean.  This was a treat from Pra. Voni to everyone for all their help and patience. 
Once again, I was leaned against a pillar, but this time I could see the ocean.  No  one offers me food nor drink because I am too thin.  No one thinks I can digest anything  – and they are probably correct. ☹

This is only ONE of the many experiences I’ve had as I’ve helped Pra. Voni.
I’ll be back and share more of them with you, when I’m allowed to once again write for this blog.


It’s a life full of contrasts… excitement … tears … and fulfillment.
I think she is right about God being so good to her – and to me, as well.

Sincerely Yours,

Sr. Ben Gala

Sir. Ben

Carta do “Ben”

De : Senhor Ben Gala
Para: Amigos e Amigas de Pastora Voni Pottle

Deixe-me tirar as coisas menos importantes do caminho,

Meu nome é Senhor Ben Gala … um nome de que me orgulho, que está no dicionário português há anos. A tradução para o dicionário do idioma americano é “cane”, mas eu prefiro muito mais o meu nome brasileiro! Acredito que ele carrega muito mais dignidade do que aquela minúscula palavra “cane’, que é realmente inconsistente com minha posição de responsabilidade de ajudar a Pra. Voni (para aqueles que não falam português, isso significa Pastora Voni – que é a palavra feminina para pastor). Perdoem, me desviei.

O que faço é tão importante? Ajudo uma mulher de 87 anos a andar sem cair. Eu não a considero uma pessoa normal de 87 anos. Ela fala fluentemente em inglês e português e também escreve nos dois idiomas (o português é considerado um dos idiomas mais difíceis: faz o espanhol parecer uma brincadeira de criança gramaticalmente). Às vezes ela reclama do sotaque.

 Todavia, como um professor de idiomas disse a ela há muitos anos, “um sotaque prova que você fala mais de um idioma!” Eu concordo totalmente com ele!

Ela tem alguma dificuldade para caminhar (e é por isso que EU SOU TÃO IMPORTANTE EM SUA VIDA!)

Ela também tem dupla cidadania, americana e brasileira. Ela e eu sempre nos lembraremos dos dias em que ela recebeu sua carteira de identidade brasileira e depois o passaporte brasileiro. Ambos estão bem guardados, junto com seus documentos americanos.

Eu estava lá … e orgulhoso de estar ao lado dela! Ela me usou muito naquele dia, enquanto caminhávamos pelo prédio da Justiça Federal, que é um edifício impressionante! Depois, caminhamos por calçadas quebradas (isso era um desafio para mim) para entrar em um prédio antigo (ITEP) – não me pergunte o que essas iniciais significam.

Quando entramos naquele prédio, uma longa escada velha nos encarava.

Os funcionários se ofereceram para levar o equipamento de impressão digital e os selos dos documentos lá embaixo onde estávamos, mas ela se recusou a trazer tudo para o andar de baixo (eu já lhe disse que essa senhora pode ser muito determinada – eu a chamo de teimosa). Ela insistiu em poder subir as escadas e depois voltar a descer. Eu, junto com alguns amigos e uma das suas filhas que estavam conosco, todos tentamos convencê-la a não usar aquelas escadas, apesar de haver um corrimão (que ela usa muito bem).

Ela não iria ouvir!

Subimos as escadas devagar, uma de cada vez, e ficamos TODOS aliviados quando chegamos ao topo.

Entramos no escritório e estávamos sentados. As damas do escritório nos trouxeram café e água fria e nos parabenizaram por subir as escadas! Todos (exceto eu) gostaram da água e do café. Eu tinha que apenas olhar enquanto estava apoiado contra uma parede ☹

Eu tive que rir (embora eles não pudessem me ouvir) quando tiraram as impressões digitais dela. Que bagunça!

Quando ela terminou, suas amigas tiraram uma foto de suas mãos enquanto ela as apontava para a câmera: cada dedo PRETO. Eu ficaria envergonhado, mas não ela! Ela ficou tão emocionada por receber seus documentos que apenas riu. Ela sorri e ri muito. Está sempre falando sobre o quão bom Deus é para ela!

Terminamos todos os documentos, agradecemos às damas do departamento e depois voltamos para as escadas! Você sabia que é mais difícil descer do que subir as escadas?

Descemos as escadas, uma de cada vez. Quando chegamos lá embaixo, nós paramos e agradecemos novamente aos funcionários. Fomos para o carro (andando por mais calçadas quebradas), dirigimos de volta ao Prédio da Justiça Federal, onde a Pra. Voni recebeu o arquivo de papelada (processo de naturalização) de uma funcionária de lá. Ela imprimiu o cartão de cidadania brasileira e o entregou para a Pra. Voni.

Você não pode imaginar os sorrisos e abraços. Eu acho que todo mundo estava tão feliz e emocionado quanto a Pra. Voni.

Eu sei que eu estava!

Terminamos a tarde indo a um ótimo restaurante com vista para o oceano. Este foi um presente da Pra. Voni a todos por toda a sua ajuda e paciência.

Mais uma vez, eu estava encostado a um pilar – desta vez pude ver o oceano. Acho que ninguém me ofereceu comida nem bebida porque sou magro demais. Ninguém pensa que eu posso digeri-los – e eles provavelmente estão corretos. ☹

Essa é apenas uma das muitas experiências que tive ao ajudar a Pra. Voni.

Voltarei e compartilharei mais com você.

É uma vida cheia de contrastes … emoção … lágrimas … e satisfação.

Eu acho que ela está certa sobre Deus ser tão bom com ela – e comigo também.

Atenciosamente,

Sr. Ben Gala

Sr. Ben Gala

O PERDÃO É LINDO

Meus olhos seguem uma águia voando no céu...

…Estou observando as árvores balançando no vento agradável...

Me sinto a brisa fresca tocar meu corpo...

e eu penso em como todos destes se parecem com perdão!!!

Vejo os efeitos. Posso sentir elas no meu coração e corpo,
Mas não posso os ver.
Algumas coisas estão lindos demais para ver
com nossa visão normal
Entretanto, nossos espíritos podem perceber a perdão –
e alegrar.

 – Voni

FORGIVENESS Is Beautiful

My eyes follow the eagle flying through the sky...

I watch the trees sway in the fresh warm wind...

I feel the fresh breeze touch my body...

and I think of how all of this compares with forgiveness!!!

I see the effects of it, I can feel it in my heart and body,
but I can’t see it.
Some things are too beautiful to see with normal eyesight;
However,  our spirits perceive forgiveness – and rejoice.

Voni