Todos os posts de Voni Pottle

2000 E 2022

Eu me lembro de ter ficado acordada durante à noite quando o mundo parou para dar boas-vindas ao ano 2000. A ansiedade e a preparação para rodar a passagem da data pelos computadores… E nada aconteceu.

Nós demos todas as comidas de emergência que tínhamos para grupos que estavam ajudando os famintos.

Agora estamos em 2022.

Estamos sendo alertados sobre desastres econômicos ao redor do mundo. O medo está tomando um lugar importante nas nossas vidas hoje. Milhares de pessoas em várias cidades da nação estão vivendo nas ruas, em barracas, carros, etc.

Eu ainda fico chocada quando vejo a miséria dos moradores de rua e com o fato de que muitos escolhem esse estilo de vida.

Não digo isso como sendo dona da razão, mas é com grande tristeza que observo o que está acontecendo em nosso país.

Drogas. Tráfico de pessoas. Tiroteios. Desonestidade. Corrupção. E a lista continua.

Isso me faz lembrar do estado deste mundo milhares de anos atrás. Deus se arrependeu – e disse a um homem e sua família que construísse uma arca, com orientações específicas.

As chuvas vieram, as águas jorraram das profundezas da terra e o mundo foi limpo.


Jesus disse algumas palavras bem específicas sobre o estado da terra, o qual ele chamou de fim dos tempos. Uma das coisas que ele disse é que seria como nos dias de Noé. Isso se referia aos males nos quais estamos vivendo hoje. 

Ele também falou sobre o que chamamos de “desastre natural”. Estamos vivendo hoje num mundo em que o clima se tornou “irracional”… Os tornados, furacões, tufões, terremotos estão aumentando em números. A fome está aumentando. Não é um cenário muito bonito.

Então, o que devemos fazer? Devemos andar com medo do desconhecido?

Ou devemos aprender a confiar em Deus e segui-lo? Ele nos deu instruções sobre como viver vitoriosamente?

Quando digo isso, fico animada!
Deus quer que vivamos uma vida abundante e plena.
Buscar conhecê-lo e VOAR, em vez de arranhar o solo como perus que têm asas mas não conseguem alçar voo.

Eu não sei quanto a você, mas ESSA é a vida que eu quero. Eu quero CONHECER a Deus; deixar o Espírito Santo revelar o Senhor para mim! Andar sem medo, mesmo que eu tenha que usar um andador, porque as minhas pernas já não funcionam bem.

Você quer aprender – como eu estou aprendendo, a confiar mesmo quando não entende?

Eu estou aprendendo mais e mais Dele, e a minha vida tem se tornado mais rica!

Portanto, 2022: eu não sei o que você tem para mim, mas vou me agarrar nas mãos de Deus e acreditar no que Ele diz – e viver minha vida servindo aos outros, como Ele me ensina.

Voni

A JORNADA DE CLIO

Manhã de domingo do dia 14 de novembro de 2021 – Portland, Oregon – USA

Eu finalmente me deitei para dormir em minha cama no Village Health Care – um centro de reabilitação, onde estou aprendendo a andar novamente depois do que parece ter sido um pequeno derrame que afetou minhas pernas. Os médicos ainda não têm certeza.

Foi outra noite agitada. O telefone tocou às 00h30. Estendi a mão para pegá-lo, pensando que poderia ser meu sobrinho, Cyle. Ele me disse que se tivesse alguma notícia sobre Clio (seu pai e meu irmão), ele me avisaria.

Voni?” – era o Cyle. “A enfermeira do hospital me ligou agora para me dizer que papai faleceu há alguns momentos.” Sabíamos que isso aconteceria porque o corpo de Clio estava se desligando, ele não conseguia falar e não reconhecia ninguém. Ele havia entrado nesta última fase de sua jornada cerca de 36 horas antes, e havia chegado ao seu destino alguns momentos atrás. Finalmente, Clio estava em casa!

Eu e Cyle conversamos por alguns minutos. Depois que ele desligou, eu comecei a pensar.

A jornada começou há cerca de 60 anos atrás.

Clio e Alice e a pequena filha deles estavam morando no Alabama, onde Clio era o ministro de louvor de uma igreja.

Alice e Celice viajaram para o Colorado para visitar os pais dela, e o Clio ficou para cuidar das coisas de casa. Clio não estava se sentindo muito animado, então ele estava feliz por não estar viajando.

Dois dias depois, um amigo da igreja, que estava preocupado porque o Clio não apareceu para trabalhar, conseguiu abrir a porta da casa do Clio e o encontrou muito doente. Eles correram com ele para o hospital – era poliomielite, e ele acabou com um pulmão de aço. Eles salvaram a vida do Clio, mas não conseguiram prevenir a paralisia.

Ironicamente, eu estava visitando meus pais em Bellingham, no Estado de Washington, e na tarde em que eles levaram Clio para o Hospital no Alabama, eu estava com três dos meus filhos, minha mãe e meu pai, na fila do lado de fora do hospital para receber as vacinas anti-poliomielite recentemente divulgadas.

No verão anterior, as estatísticas sobre a poliomielite foram horríveis. A pólio estava perseguindo a terra, mutilando e matando ricos e pobres.

Na noite seguinte, o meu pai estava no avião, indo para o Alabama. 

Eu não vou compartilhar mais detalhes desta história agora. Foi um pesadelo, intercalado com vislumbres de luz do sol. Depois de algum tempo, Clio foi levado de avião para Bellingham e internado no hospital, onde começou a dolorosa terapia.

Eventualmente, os suspensórios e cintas aos quais nos acostumamos tornaram-se parte da vida diária de Clio. Os médicos deram-lhe a previsão de viver até os 50 ou 60 anos, mas seria um estilo de vida limitado.

Eles não conheciam Clio. Eu poderia escrever um livro sobre algumas das coisas que ele fez: ele concluiu seu curso de música na Universidade de Oregon, indo de bicicleta para o campus; eu estava no concerto The Messiah, onde Clio cantou uma das principais músicas em um grande auditório em Portland. O fato de ele ter fôlego suficiente naqueles pulmões foi um milagre! Foi chefe do departamento de música do Magic Valley Christian College em Idaho. Andou de motocicleta. Foi caçar. Cantou em muitos lugares diferentes. Trabalhou em várias prisões diferentes com ensino de música e da Bíblia, e muito mais.

Os anos foram passando. Com a idade, Clio podia fazer menos coisas, mas não era o tipo de pessoa que ouvia os conselhos dos outros se não quisesse. Mesmo que seu corpo pudesse fazer menos, ele se recusou a ficar em um centro de reabilitação e insistiu em voltar para sua casa, onde morava sozinho.

Meu pesadelo era ele morrer sozinho.

No ano passado ou perto disso, o corpo de Clio o traiu, pois gradualmente podia fazer menos e menos. Os músculos e pulmões e outras partes de seu corpo pararam de funcionar corretamente. Família e amigos queriam que ele estivesse onde as pessoas pudessem ajudá-lo. Ele insistiu em ficar em sua casa, conseguindo alguma ajuda que vinha do Estado.

Cerca de 10 dias atrás, ele chamou uma ambulância e internou-se no hospital, porque estava com dificuldade para respirar. Depois que os testes foram concluídos, o hospital não podia enviá-lo de volta para casa, nem ele concordaria em ir para qualquer outro lugar que não fosse sua casa. Foi quando o Senhor interveio e disse: “Clio, é hora de voltar para CASA!”

Quando Clio completou sua passagem para CASA, eu estava agradecendo a Deus pelo Clio não ter feito essa passagem sozinho na sua casa, mas com pessoas que se importavam com ele, e porque, pela primeira vez em sessenta anos, o Clio não estava preso em um corpo limitado! Ele pode andar, correr e se regozijar em sua liberdade recém descoberta. Eu estou muito feliz por ele!!! 

Meu irmão está iniciando uma nova fase em sua vida. Do jeito que ele ama música, eu não tenho dúvidas de que ele estará cantando alegremente em um corpo livre de dores, adorando o nosso Senhor! Quem sabe o que mais Deus vai querer que ele faça.

E você sabe de uma coisa: eu estou ansiosa para chegar lá também.

Voni

1968 BOMBAS DE GÁS E CONTROLE: MUITO ANTES DE CELULARES E WI-FI

São Paulo – Manifestação dos estudantes secundaristas contra a Máfia da Merenda. O protesto foi violentamente reprimido e dispersado pela polícia (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A nossa família se mudou para Belo Horizonte/MG, no Brasil, em agosto de 1967.

Nós chegamos lá pouco tempo depois da publicação de um artigo na revista Reader’s Digest sobre o Brasil: “O país que teve uma revolução sem disparar um tiro”.

A revolução havia chegado ao fim (nós pensávamos). Os comunistas se foram (nós pensávamos) e a vida havia voltado ao normal… – Como estávamos vivendo em uma nova cultura, como poderíamos saber o que era o normal?

Hoje, ao assistir TV e ver a confusão que está acontecendo ao redor do mundo, vem à minha memória lembranças de uma nação que eu aprendi a amar. A nação brasileira estava longe de ser “normal”.

Nós alugamos uma casa em uma região residencial – num bairro novo… uma piscina – sem água, danificada…, ruas de chão batido, o telefone mais próximo pertencia a um vizinho e ficava a três quarteirões de distância – toda a vizinhança usava aquele telefone… Havia sempre um café quente pronto… e era o “centro de notícias” da comunidade. Notícias? Ou fofocas? Talvez um pouco de cada.

Nosso filho mais velho tinha 15 anos, e ele conseguiu um emprego no centro da cidade para ensinar inglês em uma escola de idiomas… Ele pegava um velho e sucateado ônibus municipal para o centro (cerca de uma hora de trajeto) de manhã, e voltava para casa ao final da tarde.

Era uma aventura que ele estava aproveitando ao começar a dar os seus primeiros passos de independência. Aquele dia foi um pouco diferente.

No início da tarde, nossos vizinhos bateram palmas em frente da nossa casa para chamar nossa atenção (sem campainha). Nós levamos um tempo para entender o que eles estavam dizendo… mas as informações não eram boas.

Merril, nosso filho, havia ligado para eles e pedido para passarem um recado para nós.
Ele estava no sétimo andar do edifício comercial da escola de inglês e não fazia ideia de quando ele poderia voltar para casa; pois, na avenida principal, um grupo de comunistas estava fazendo um protesto, e a polícia estava usando bombas de gás lacrimogêneo para dispersá-los – o único problema era que os manifestantes continuavam se reagrupando e voltando. Merrill estava seguro – mas não podia sair da escola.

O pai dele pegou seus documentos de identidade (necessários) e começou a andar para pegar o ônibus para o centro da cidade.

O que eu fiz? Eu comecei a orar. É incrível a fonte de poder que tocamos quando dobramos nossos joelhos e oramos.

Chegando na cidade, meu marido encontrou uma forma de entrar no prédio sem se envolver na confusão das ruas. Ele subiu as escadas (os elevadores não estavam funcionando) e bateu na porta trancada da escola de idiomas. Alguns dos professores a abriram, e ele se juntou ao nosso filho e aos demais, que estavam nas janelas observando a agitação que se passava lá embaixo nas ruas.

Algumas horas depois, a comoção dos manifestantes diminuiu; o gás aos poucos também se dissipou, e estava seguro para ir pegar o ônibus.

Merrill e o pai dele entraram em um dos últimos ônibus que estavam saindo do centro da cidade e chegaram de volta em casa algum tempo depois da meia-noite.

Eu sempre ficava feliz em ouvir suas vozes quando eles chegavam!

Começamos a aprender lições importantes. Os comunistas ainda estavam por perto. Há coisas que podemos falar, outras, não! É melhor aprendermos rápido sobre quando devemos ficar calados. Somos estranhos em uma cultura e língua inteiramente diferentes. Vamos levar anos para começar a entender as nuances dessa cultura, e para os brasileiros aprenderem a confiar em nós.

Afinal de contas, por que americanos se mudariam para o Brasil se isso não fizesse parte de uma agenda oculta?

A palavra “missões” passa a ter outros significados.

  • Voni

SERÁ QUE EU SOU UMA XÍCARA RACHADA?

Eu estou esperando para pagar a minha compra. A moça do caixa levanta o artigo que eu comprei e diz: “Dona, você viu que esta caneca está com defeito?”

Eu aperto os olhos para ver mais de perto. Ela está certa! O que parece ser uma rachadura, mas na verdade não é, faz parte da caneca, está embutida nela.

Mesmo assim, eu quero a caneca, com ou sem defeitos. Então eu pechincho com ela, consigo um desconto e saio da loja feliz.

Por alguma razão, eu amo essa pequena caneca. Ela é perfeita para tomar pouca quantidade de café, e me sinto feliz só de olhar para ela. Eu amo até os defeitos. Todo mundo na nossa casa sabe que ela é a “caneca da Voni” e que, quando eu vou tomar café, eu quero aquela caneca.

Eu faço uso dela constantemente.

O triste dia chega em que a minha caneca cai e a alça se quebra. Mas eu ainda consido usá-la, e eu uso.

Nesse ponto, o meu marido já está se perguntando o que há de errado comigo. A nossa cozinha tem um monte de canecas e xícaras para tomar café que usamos nas nossas reuniões e estudos bíblicos, quando o apartamento fica cheio de gente. (Eu amo esses momentos!)

Por que eu ainda uso essa pequena caneca de café sem alça? Ele olha para mim e balança a cabeça. Eu não preciso perguntar a ele a razão daquele olhar: depois de 24 anos de casamento, nós conhecemos muito bem a linguagem corporal um do outro.

Eu até tirei fotos da “minha caneca”. O que está acontecendo comigo?

Em uma tarde surpreendentemente tranquila, estou sentada à mesa da cozinha tomando um café quentinho que acabou de ser feito (na minha caneca rachada), olhando pela janela e pensando sobre algumas dessas coisas. De repente, eu entendo.

É porque eu também sou uma “caneca rachada”.

Deus conhece todas as minhas imperfeições! Todas as rachaduras e lugares que foram colados de volta pelo amor Dele. E Ele ainda assim cuida de mim e se preocupa comigo, assim do jeito que eu sou. Eu nunca vou ser uma xícara chique e projetada de forma majestosa para servir reis. Eu gosto de andar descalça, tocar e abraçar – o que não se encaixa muito bem nos padrões da realeza.

Isso é ainda mais verdadeiro à medida em que a minha casca externa está envelhecendo e exibindo aquelas minúsculas rachaduras que se parecem com teia de aranha e correm por toda a porcelana velha. E a alça da minha caneca está rachando. Mas Ele ainda me ama! Ele me criou com um propósito, para ser usada em Suas mãos.

Quantas vezes eu já caí no chão. Ele me levanta, me recompõe, e a cola Dele me torna mais forte e de mais valor para Ele. Na verdade, quanto mais Ele investe de Si mesmo em mim, mais Ele me usa em áreas que eu nunca pensei que seriam possíveis de serem usadas.

Então, rachada, quebrada com o punho, com a parte externa da minha caneca mostrando a minha idade, a minha caneca ainda pode conter o Seu Espírito, para que outros sintam, provem e experimentem o amor de Deus.

Essa pequena caneca não está mais comigo. . .
Ele se espatifou em sua última queda fatal em um piso de cerâmica.
Mas as lições que aprendi com ela permanecem na minha memória … e ainda amo minha “caneca de café”.

Voni

Você consegue se imaginar como um “caneca de café rachada”?
Vendo-se assim, você consegue ter mais paciência consigo mesmo? Consegue ser capaz de rir de si mesmo um pouco mais? Você já pensou em como Deus pode colar os seus pedaços de volta quando você está disposto a se colocar nas mãos Dele?

Olhe no espelho, veja todos os seus defeitos e sorria.
É maravilhoso quando podemos nos reconhecer como “canecas de café quebradas”.
Tenta e veja você mesmo.

Será que Ele realmente nos conhece e entende? Leia o Salmo 139

COMO ESTAR CONTENTE E SABER ONDE É O MEU LUGAR

fonte: freepik

Eu escrevi a esse respeito em julho de 2019. Agora, estamos em 28 de junho de 2021, quase dois anos depois.

Estou de volta a Portland – depois de um tempo na Georgia, Brasil, Florida (onde a Covid-19 me pegou), agora no meu quarto de dormir número 1, com Sheryl e Hermilio.

Noite de terça-feira, são quase 21 horas, e ainda está claro lá fora.
O noroeste do Pacífico está nas garras de uma onda de calor terrível, que está quebrando recordes; e eu vou tentar colocar algumas idéias no papel.

Hoje, durante todo o dia, eu fiquei perguntando ao Senhor: “Onde é o meu lugar? O que eu estou fazendo aqui?”

Até este exato momento, não tenho uma resposta… Veja bem, eu sei de uma coisa: quando nós caminhamos com Deus, onde Ele nos coloca nunca é um erro.

Eu já estive em Portland muitas vezes e vivi aqui durante períodos diferentes.

Eu não tinha essa inquietação sacudindo dentro de mim. Eu estava em paz, pois era aqui onde eu deveria estar.
Então, por que agora eu estou me fazendo essa pergunta? Há algo que eu deveria estar fazendo e não estou? Se sim, por que eu não sei o que é?

Algumas vezes eu rio de mim mesma. Tenho certeza que, às vezes, as pessoas olham para mim e balançam a cabeça… eles são gentis a esse respeito, mas ficam pensando no que há de errado comigo. Por que eu não consigo estar contente e feliz aqui onde eu estou? Como eu posso explicar de forma que as pessoas me entendam?

Eu aprendi a estar contente e feliz em mais de 60 lugares diferentes neste mundo.
Paulo coloca isso em seus escritos da seguinte forma:
“Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade.” Filipenses 4:12

E Paulo enfrentou muitas situações!

Aluno muito respeitado e brilhante, Paulo foi ensinado pelos principais rabinos de Jerusalém.
Depois que Jesus foi crucificado, um Jesus vivo confrontou Paulo na estrada para Damasco. Paulo, que estava procurando cristãos para jogá-los na prisão e mais… passa o resto de sua vida compartilhando sobre a importância de Jesus, e outros o jogaram na prisão, apedrejaram-no e caluniaram-no. Aqui, Paulo diz que aprendeu a ficar contente em meio a toda e qualquer situação.

Eu quero estar contente em todas as circunstâncias? Sim, eu quero!
O que eu devo fazer?
Paulo me dá três respostas sensatas, práticas e completas.

1) Filipenses 4:4-6
“Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: alegrem-se! Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedido
s a Deus.”

2) Efésios 5:15-21
“Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus. Portanto, não sejam insensatos, mas procurem compreender qual é a vontade do Senhor.
Não se

embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor,
dando graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo.”

1 Tessalonicenses 5:15-22
“Tenham cuidado para que ninguém retribua o mal com o mal, mas sejam sempre bondosos uns para com os outros e para com todos. Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus.
Não apaguem o Espírito. Não tratem com desprezo as profecias, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. Afastem-se de toda forma de mal.

Esta é minha lista de instruções. Não tenho desculpa para não estar contente, embora não tenha respostas.
É melhor eu começar a trabalhar estudando essas diretrizes mais uma vez – e aplicando-as em minha vida. Quando eu O obedeço, Ele cuida das minhas emoções.

Obrigada, Pai! Eu estou confiando que estou onde o Senhor quer que eu esteja. Eu confio no Senhor, sabendo que está colocando as coisas em seus devidos lugares – inclusive a mim mesma.

Voni

ORANDO POR GATOS E COMPUTADORES

Créditos: Reddit

1963 – Salem, Oregon
Nossos quatro filhos e meu esposo, Cal, estão esperando impacientemente no carro. Nós estamos saindo para uma viagem de acampamento por uma semana.
Temos que deixar nossa gata na casa de um amigo – e a gata desapareceu!
Eu corro para o quintal, procurando desesperadamente por aquele pequeno animal pela última vez – e orando como louca!
“Por favor, Senhor, traga aquela gata de volta. Não podemos deixá-la para trás enquanto saímos. E eu não posso voltar para procurá-la de novo…. por favor!”
Enquanto corro pelo quintal, procurando e chamando urgentemente por ela, o que vejo? Aquela gata andando devagar pelo quintal e vindo até mim, esfregando nas minhas pernas e ronronando! Eu me curvo, cuidando para não me mover de um modo a assustá-la. Então, eu a pego, segurando-a fortemente e corro para o carro.
Nós a deixamos na casa do nosso amigo, tivemos uma viagem maravilhosa com nossas crianças e paramos para buscá-la no caminho de volta para casa. Estamos todos felizes em vê-la, até meu esposo :). A máquina de ronronar dela está em volume alto e funcionando bem.
Aquela cena de mais de 50 anos atrás ainda está impressa indelevelmente na minha mente. Você pode perguntar: Por que?”
Para mim, é incrível quantas vezes eu pensei: “aquela gata”!
Eu tive que orar por tantas coisas doidas… sempre que eu parava porque o pedido era tão “doido”, nem mesmo de importância suficiente para pedir ajuda a Deus, eu me lembrava “daquela gata” vindo a mim, ronronando.

Janeiro de 2019

Tudo isso me leva à noite de Domingo…
Estou sentada na poltrona no quarto, esperando terminar alguns documentos. Lanae me preparou uma deliciosa xícara de café. Não conseguimos encontrar minha caneca de café com uma tampa forte. Então ela colocou o café em uma de suas canecas. Eu não a ouvi dizer:
“Mãe, cuidado porque a tampa da caneca não está bem fechada,”
Bebendo o café, coloco a caneca na pequena prateleira ao lado da minha cadeira, sento na minha cadeira e pego a caneca de café.
Você pode imaginar o meu desgosto e angústia quando a caneca cheia de café quente com creme vira ao soltar a tampa, DERRAMANDO café sobre o meu teclado, minha cadeira e no chão?!
As teclas do computador estão inundadas em um rio de café!
Eu rapidamente movo a caneca do laptop, viro o laptop de cabeça para baixo e agito o máximo possível do líquido. Minha mão está tremendo e eu estou orando enquanto pego um pequeno aspirador de computador e começo a passá-lo pelas teclas. Não consigo encontrar as pequenas peças para que a sucção seja mais forte,mas continuo passando sobre as teclas.

Eu ligo o computador – certificando-me de que o cabo de energia não esteja nele… as linhas e cores que surgem me dão pouca esperança. Lanae me traz seu pequeno secador de cabelos. Passo o secador sobre todo o teclado, orando por meu computador.
Eventualmente, ligo a energia para deixar meu computador ligado a noite toda. Se funcionar, vai ajudar a secar mais rápido. É o que vou fazer!
Eu finalmente parei, cansada e orando, minha mente continua se repetindo: “Deus sabe que eu não tenho dinheiro para comprar um novo computador….
Eu me pergunto se ele me abençoaria colocando alguma coisa no GO FUND ME (equivalente ao vakinha.com.br)
Preciso encontrar tempo para terminar minha página para que a instituição na qual estou trabalhando possa receber fundos.
Finalmente caí em sono profundo – com um nó de tristeza no meu estômago – e ainda orando.
Isso foi há três dias atrás! No dia posterior ao batismo de café, o computador gradualmente voltou à vida. Hoje à noite estou trabalhando nele de novo, na mesma poltrona no quarto!
Tenho dificuldade de acreditar no que eu sei que aconteceu!
Todavia, aconteceu! Agora nenhuma xícara de café com tampa solta ao meu lado mais. Aliás, pouco café enquanto estou trabalhando aqui.

Tenho certeza que eu não segui o “procedimento correto” com o computador.
Entretanto, Deus se moveu em favor desta viúva de 86 anos de idade…. Talvez Ele usou meu anjo guardião eu NÃO SEI COMO… Eu só sei que uma oração desesperada – por uma gata, e um computador e todas as outras coisas…. – Meu Pai, meu Senhor e o Espírito Santo tocou minha vida mais uma vez – e eu estou grata!!
… EU AINDA ESTOU APRENDENDO QUE EU POSSO ORAR POR GATOS – E COMPUTADORES – E MUITAS OUTRAS COISAS DENTRE ESTAS.
E você? Você também tem orações “loucas” que Deus respondeu? Somos tão abençoados de ter um Pai como Ele!

Voni

DEUS E CAFÉ

Coffee Bible Pictures | Download Free Images on Unsplash
 Crédito: Getty Images/iStockphoto


Portland, Oregon – Nos Estados Unidos

Eu estou sentada na nossa mesa que fica num cantinho aconchegante da cozinha. O sol da primavera está brilhando nas janelas enquanto eu contemplo o nosso pequeno quintal. Eu amo esse pedacinho da nossa casa. Por incrível que pareça, esse é o meu “esconderijo”, especialmente nesta hora da manhã.

Os meus três filhos mais velhos saíram há 15 minutos para irem para a escola. Os dois mais novos ainda estão dormindo no andar de cima, e o meu marido acabou de sair para a aula. Na realidade, eu estou sozinha em uma casa quieta – pelo menos por alguns minutos, e eu estou feliz!

Depois de limpar a mesa dos restos de café da manhã da família, minha xícara de café está pronta, enquanto eu coloco uma fatia de pão de canela com passas na torradeira. Meu caderno, Bíblia e comentários bíblicos estão abertos, ocupando a maior parte da mesa. Eu consigo dar um jeito e achar um lugar para colocar um pires para servir a minha torrada com manteiga, um pouco de mel e uma fatia de queijo. Ah! Meu café da manhã está pronto.

Eu dou uma mordida na deliciosa torrada, tomo um gole de café, e então abro o livro de comentários bíblicos para ler a explicação das Escrituras sobre o próximo capítulo do meu estudo a respeito da ORAÇÃO. Eu leio o versículo, procuro ele nos comentários e então escrevo um resumo dos meus próprios pensamentos em meu caderno. Estou passando pelo Novo Testamento, e é muito precioso! Eu estou aprendendo muito e, pelo simples fato de anotar as minhas reflexões, elas ficam de forma mais permanentes na minha mente.

Meu café e minha torrada já estão quase acabando – o café esfriou um pouquinho enquanto eu estou escrevendo, e eu gosto de café bem quente! Penso em comer outra torrada, mas escuto alguns barulhos no andar de cima. As crianças menores acordaram… Eu rapidamente pego meu material de estudo e o coloco em um lugar alto o suficiente para que pequenas mãozinhas não consigam alcançá-lo – desta vez, eu coloquei em cima da geladeira.

Enxugando as mãos no meu avental, eu subo as escadas íngremes correndo e começo o meu dia, orando enquanto prossigo. Eu vou precisar da ajuda Dele: eu sou muito grata por poder conversar com Ele. Eu não conseguiria sem essas nossas conversas…

Ore sem cessar… falando com o Senhor o dia todo. É muito melhor do que falar comigo!

CHOVENDO EM PORTLAND

(Benjamin Brink/The Oregonian) LC- The Oregonian

Um dia frio e chuvoso – típico de Portland, Oregon — Novembro

É hora de ir para casa. Eu corro para o meu carro, destranco-o, torcendo para não ficar totalmente molhada enquanto eu abro a porta e fecho rapidamente, entro, jogo os livros que estou carregando no banco da frente e bato a porta. Eu quero fazer tudo em um movimento rápido e fluido, para continuar enxuta, mas eu não tenho muito sucesso.

Eu saio, e o trânsito está lento. São 5:30 da tarde, a hora em que todo mundo quer ir para casa. Tudo ao meu redor está cinza. A forte chuva que está caindo, cria uma cortina que esconde tudo parcialmente, de modo que não há cor, deixando só aquele cinza sombrio.

Eu começo a falar com Deus sobre o dia: agora é um bom momento para isso. Eu tenho muitas coisas que eu quero falar com Ele, incluindo os materiais para as aulas de grupos de diferentes idades na igreja, onde sou a mais nova integrante da equipe: Pastora responsável pelo Ministério de Ensino Bíblico. Essa responsabilidade é um desafio – e eu amo ele.

Entretanto, neste momento, eu estou pronta para chegar ao meu pequeno apartamento, ligar o aquecedor, tirar essas roupas molhadas e pegar um pouco de café. Como eu estou morando sozinha, a refeição de fim de tarde é super simples.

Enquanto eu dirijo, minha mente viaja para uma cidade há milhares de quilômetros de distância, em um outro continente, onde eu vivi durante os últimos 20 anos. O número de habitantes está na casa dos milhões, em comparação com as centenas de milhares em Portland. Chove forte em Belo Horizonte, mas é uma chuva quentinha, não é gelada como em Portland.

Eu começo a falar sobre isso com o Senhor, perguntando a Ele quando eu vou voltar para aquela cidade e pessoas que amo.

Eu ouço uma voz. Ela fala baixinho: mas quando eu a escuto, eu presto bastante atenção:
“Você vai retornar, mas não ficará por lá permanentemente.”

Eu agarro o volante, consigo sair do trânsito e ir para o meio-fio, onde desligo o carro, coloco meus braços e cabeça no volante e chego a soluçar de tanto chorar.

“Senhor, o que sobrou? A infidelidade do meu marido e seus filhos com outra mulher me deixaram sem casamento e de mãos vazias.

Eu Te agradeço por cuidar de mim. O Senhor é fiel e demonstra o seu amor por mim de muitas maneiras!

Lembrando poucos dias atrás, eu ainda não consigo acreditar como eu caí de todos aqueles degraus da escada da igreja, com os meus braços ocupados, segurando uma caixa de livros e não me machuquei!
Estava trabalhando até tarde e o prédio estava vazio. Eu consegui me levantar do chão daquela escada, respirar fundo, juntar todos aqueles livros e terminar minhas tarefas antes de ir para casa.
Eu nem tive hematomas depois daquele tombo – mas eu ainda me lembro de como eu fiquei assustada e agradecida quando eu pensei em todos os “e se”…

“Pai, eu vou guardar essas palavras na minha mente e não vou pensar nelas. Se for a Sua vontade, o Senhor vai me mostrar quando for a hora e vai me dar a força de que eu preciso.”
Eu paro de soluçar, limpo os meus olhos, ligo o carro e volto para o trânsito, fazendo o que eu disse a Ele que faria.

Agora, estamos em 2021 – quase 31 anos depois daquela noite em Portland, Oregon.
Uma vez mais, eu estou em Portland. Embora eu não queira, creio que chegou a hora de colocar essas palavras na minha frente, orar para aceitar a realidade delas e aprender a andar nelas.

“Pai, eu vou precisar da sua ajuda!”

Voni

REALIDADES DO SALMO 25

Prefácio

Estou de volta – finalmente!
Desde Dezembro de 2019 (minha última postagem consistente) este blog tem sido menos frequente assim como o meu momento.

Dos EUA pra Brasilia
         pra Natal;
         de volta à Brasilia;
         COVID-19 pandemia mundial;
         Quarentena no Brasil;
        Retorno aos EUA antes da parada dos voos;
        Miami;
        Georgia;
        Miami;
        Adoeci de Covid-19;
        Quarentena em Miami;
        Três meses até eu testar negativo;
        Viajo para Portland em Oregon logo antes do Natal;
        Continuo enfrentando os sintomas da Covid.

Agora é Fevereiro, um amigo no Brasil está publicando as postagens porque eu preciso de ajuda.

AGORA – Eu quero voltar a postar a cada semana – finalmente!

Então – vamo que vamo! 😉😊

Um lembrete: Não há sequência nestas publicações.

Elas são simplesmente pensamentos, lições aprendidas na vida diária para você aplicar se achar valor nelas.

Então – aqui vamos nós:

Realidades do Salmo 25

Belo Horizonte, Minas Gerais – Brasil em 1975.

Estou sentada nos degraus da escada que vai da sala de estar para a sala de jantar. A casa está bem silenciosa, o que é raro. Eu estou um tanto quanto atordoada com os pensamentos que passam por minha mente.

O que está acontecendo com a minha vida? Na minha casa? Eu não sei, mas sei que não é bom. Muito estresse, muitas discussões até mesmo entre os meus filhos e, certamente, entre eu e o meu marido.

“Senhor, eu preciso de mais entendimento. Por favor, ajuda-me.”

A minha Bíblia está na escada, ao meu lado. Eu a abro sem nenhum propósito específico e começo a ler. As palavras me acertam em cheio – Eu paro…

Começo a ler de novo, desta vez com toda a minha atenção.

A maioria dessas palavras é para mim!

Salmo 25

Salmo de Davi.
1 A ti, Senhor, elevo a minha alma.
2 Em ti confio, ó meu Deus.
Não deixes que eu seja humilhado, nem que os meus inimigos triunfem sobre mim!
3 Nenhum dos que esperam em ti ficará decepcionado; decepcionados ficarão aqueles que, sem motivo, agem traiçoeiramente.
4 Mostra-me, Senhor, os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas;
5 guia-me com a tua verdade e ensina-me, pois tu és Deus, meu Salvador, e a minha esperança está em ti o tempo todo.
6 Lembra-te, Senhor, da tua compaixão e da tua misericórdia, que tens mostrado desde a antigüidade.
7 Não te lembres dos pecados e transgressões da minha juventude; conforme a tua misericórdia, lembra-te de mim, pois tu, Senhor, és bom.
8 Bom e justo é o Senhor; por isso mostra o caminho aos pecadores.
9 Conduz os humildes na justiça e lhes ensina o seu caminho.
10 Todos os caminhos do Senhor são amor e fidelidade para com os que cumprem os preceitos da sua aliança.
11 Por amor do teu nome, Senhor, perdoa o meu pecado, que é tão grande!
12 Quem é o homem que teme o Senhor? Ele o instruirá no caminho que deve
seguir.
13 Viverá em prosperidade, e os seus descendentes herdarão a terra.
14 O Senhor confia os seus segredos aos que o temem, e os leva a conhecer a sua aliança.
15 Os meus olhos estão sempre voltados para o Senhor, pois só ele tira os meus pés da armadilha.
16 Volta-te para mim e tem misericórdia de mim, pois estou só e aflito.
17 As angústias do meu coração se multiplicaram; liberta-me da minha aflição.
18 Olha para a minha tribulação e o meu sofrimento, e perdoa todos os meus pecados.
19 Vê como aumentaram os meus inimigos e com que fúria me odeiam!
20 Guarda a minha vida e livra-me! Não me deixes decepcionado, pois eu me refugio em ti.
21 Que a integridade e a retidão me protejam, porque a minha esperança está em ti.
22 Ó Deus, liberta Israel de todas as suas aflições!

Elas também estão falando com você?

Voni

UM ANO EM QUIETUDE

Março de 2021

Quando eu era jovem e cuidava dos meus filhos pequenos (alguns anos atrás), havia momentos em que me cansava e pensava que quando ficasse “velha”, seria capaz de sentar em uma poltrona confortável e tricotar ou ler. O quão errado eu poderia estar?

O texto a seguir fala sobre alguns dos últimos anos de “quietude”.

Setembro de 2019 – em Oregon, preparando-me para ir ao Brasil por pelo menos um ano.

No final de setembro, minha filha na Geórgia me ligou em Oregon.

“Mãe, Johnny e eu queremos nos casar em outubro e queremos que você faça a cerimônia.” A emoção tomou conta de mim. Fazer o casamento de um dos meus próprios filhos? Será que posso fazer com que isto se encaixe na viagem que planejei para o Brasil? Tem que ser!!!

Peguei o calendário, as passagens,o caderno e calculadora… liguei para minha filha na Geórgia – e nós resolvemos os detalhes. Em outubro de 2019, tivemos um casamento simples e adorável ao ar livre, sob um mirante na praia ao lado do Golfo do México. Depois, eu relaxei  e chorei.

No início de novembro de 2019 fui para Miami para encontrar meu filho (Jonathan Hall) e viajar com ele para Brasília. Meus filhos decidiram que não querem mais que eu viaje sozinha em voos internacionais. (Eles me disseram: “Mãe, nós amamos você, mas existem limites e este é um deles”. OK, eu concordo.)

Mas eu esqueci das malas!


Agora, Jonathan é um desses viajantes que roda o mundo, que carrega tudo o que precisa por duas semanas em uma mochila. Esse não é meu caso: levo tudo e mais um pouquinho, sem contar os presentes… A viagem foi boa, mas sei que Jonathan ficou aliviado por me trazer (com minhas malas) até Brasília! Ele já me alertou sobre se e quando viajaremos juntos novamente.

Novembro de 2019 a 1 de junho de 2020

Ensinando (o que amo fazer) em Brasília e em Natal. Tempo bom com velhos e novos amigos. Aprendendo a ensinar pela internet. A Covid-19 começou em março e fiquei de quarentena num apartamento em Brasília (graças a Deus ele tem uma pequena varanda, então eu posso pegar um ar fresco). Eu amo as três amigas com quem dividi o apartamento. Muitas risadas, aprendizagem e compartilhamento.

Eu planejei ficar em Brasília por até um ano. Mas a pandemia, com a  quarentena e restrições de voo me fizeram partir do Brasil em 1º de junho de 2020, voltando para Miami.

Mas aí tudo se complicou!

Em Miami, resolvi ir passar algumas semanas na Geórgia para visitar o casal que eu casei, e daí voltei para Miami, no caminho para Portland, Oregon. Estava difícil encontrar voos com a confusão dessa pandemia. Na manhã em que ia viajar, acordei me sentindo péssima! Eu não sabia que era possível sentir tanta dor! Eu peguei Covid-19 e fiquei até meados de dezembro em Miami com a família de Jonathan (incluindo minha bisneta mais nova) em quarentena, fazendo testes para ver quando poderia viajar. 

Foi engraçado, eu queria passar mais de uma semana com Jonathan e sua família e acabei ficando dois meses. 

Agora, fui para Portland e meu genro está muito doente. Precisamos de oração por toda a família!

Eu não tenho ideia nenhuma há quanto tempo que ficarei por aqui.
Sei que Deus está tentando me ensinar a ser paciente e deixar Ele abrir a porta para as próximas etapas. Ele vai me conduzir nos próximos passos no seu tempo e não no meu!

Um dos muitos desafios de aprendizagem que tenho aqui: Estou me recuperando da Covid-19 e estou descobrindo que esse é um vírus louco!

Agora – março de 2021. Nenhum sinal de ter passado um ano tranquilo. Quem sabe o ano que vem… Eu só sei que temos que segurar a mão de Deus – e confiar Nele.

  • Voni